Portaria remota vale a pena? Entenda os benefícios?

Infelizmente, estamos cada vez mais preocupados com a violência que nos rodeia. Por isso, temos que buscar novas estratégias para garantir condomínios cada vez mais seguros.

Uma opção que está ganhando adeptos é a portaria remota, onde não há um porteiro no local e a entrada e saída de visitantes são controlados por uma central, com câmeras de segurança.

Apesar de parecer a história de filme de ficção científica (ou um episódio de Black Mirror), a iniciativa é uma realidade no exterior há quase 20 anos, quando as primeiras empresas do setor têm surgido nos Estados Unidos. Já no Brasil, a tecnologia vem chegando aos poucos, trazendo inovação das cidades do país. Por exemplo, apenas no município de São Paulo, estima-se que cerca de mil condomínios já aderiram ordens remotas.

Combinando modernidade, redução de custos e segurança, o sistema de recepção remota é um dos principais exemplos de automação de condomínios. Por isso, vamos apresentar pontos importantes sobre a portaria remota neste artigo. Dê uma olhada:

O que é a portaria remota?

A portaria remota substitui a presença física de um porteiro em condomínio por uma gestão à distância. Um empregado trabalha diretamente de uma central de monitoramento, controlando o acesso das pessoas através das câmeras de segurança 24 horas por dia. Como funciona a portaria remota para condomínios?

Ao chegar no condomínio, o visitante aperta a campainha da porta e conversa com o porteiro através da portaria eletrônica, que funciona através do intercomunicador. Enquanto isso, o funcionário da empresa comunicará ao residente por interfone, telefone ou um aplicativo de telefone celular e confere se a entrada é autorizada. Tudo isso através da internet. A entrada dos residentes é realizada com um sistema de identificação que reconhece a impressão digital (biometria), cartões magnéticos ou até mesmo Códigos QR.

Para que tudo isso funcione na perfeição, no condomínio é necessário contratar uma empresa especializada e investir em um conjunto de equipamentos que consiste em: câmeras de segurança, sistema de identificação dos habitantes e a conexão de internet para que as imagens sejam transmitidas em tempo real. Após a contratação, não se esqueça de fazer tarefas de manutenção preventivas e periódicas, para que todos os equipamentos estejam funcionando perfeitamente e não tenha surpresas.

Quanto custa uma portaria remota? Os custos de uma portaria remota variam de acordo com a cidade e o número de unidades no condomínio. Incluindo os valores de instalação e equipamento, adquirir portaria nº presencial acaba saindo por um preço entre R$ 3.500,00 a R$ 8.000,00 mensais. Apesar de ser um valor alto, a portaria a distância permite que o condomínio economiza com outras questões como a folha de pagamento e obrigações de pensão dos funcionários. Devido a isso, há relatos de condomínios que tinham uma economia de até R$ 100 mil em apenas um ano usando o serviço. Quais são as vantagens de uma portaria remota? Comandos remotos para os condomínios têm pontos positivos e negativos. Logo, é importante analisá-los para saber se o serviço combina com as necessidades e o perfil do condomínio que você administra.

Algumas das vantagens desta tecnologia são:

Redução no custo das quotas de condomínio: – Os especialistas garantem que é possível reduzir o valor do condomínio em 40% até 50% de uso do serviço;

– Não tem porteiro físico no local, evitando que o profissional seja rendido por ladrões;

– Terceirizar a portaria e a empresa de segurança reduz o risco de o condomínio ter problemas com ações trabalhistas;

– Economia de tempo e dinheiro em treinamento de porteiros e vigilantes;

– O condomínio contará com um aparelho maior segurança e controle, uma vez que serão instaladas câmeras nas entradas e áreas comuns;

– Desvios de função e os conflitos entre os porteiros e os moradores são reduzidos;

– A portaria virtual funciona 24 horas por dia. Quais são as desvantagens da portaria remota? A portaria remota para condomínios evita uma série de problemas que podem ser causados pela presença do porteiro, mas isso não quer dizer que a solução é perfeita.

Há algumas questões que devem ser levadas em conta antes de implantar o sistema:

– O sistema está aberto a possíveis falhas, no caso de falta de energia e quedas de internet;

– Alguns dos condôminos podem ter dificuldades de adaptação à tecnologia;

– Os moradores podem sentir a falta de contato humano do porteiro presencial, de alguém para ajudar a abrir portas para os mais velhos ou transferir a informação relevante sobre o condomínio;

– Dificuldades para receber entregas de encomendas e correspondências, pois alguém terá que estar no local para receber os materiais sendo que, para este caso, a maioria das empresa exige a presença física de um zelador para tal função;

– O síndico deve dispor de tempo para ajudar os residentes a se adaptar a essa novidade.

Como funciona os serviços de entrega e de correspondência com portaria remota?

Sem a presença de um porteiro, existe o temor de que as encomendas e correspondências podem ter problemas na entrega ou se perderem. Uma forma de resolver esta questão é encaminhar a correspondência para o zelador do condomínio, que deve transferir os materiais para os moradores. Na ausência de um zelador, pacotes e envelopes só podem ser entregues diretamente aos moradores. O que significa que alguém deve estar em casa na hora da entrega da encomenda.

Entregas que requerem a assinatura do comprador e pedidos de delivery funcionam como a visita de um convidado:O entregador entra em contato com a portaria da distância pelo interfone na porta de entrada e a central notifica o morador da situação. Como proceder no caso de problemas de conexão e falta de energia: Como a entrada e a segurança do condomínio, que são realizadas através de dispositivos eletrônicos, a portaria remota está comprometida caso de que surja algum problema com a conexão ou a queda de luz.

Medidas devem ser tomadas para evitar que o condomínio esteja enfraquecido com esses obstáculos. No Caso de que seja contratado o serviço de recepção remota, torna-se de grande importância que o condomínio tenha sistemas de apoio, como um gerador para o caso de falta de energia elétrica. Alguns síndicos optam por contratar duas conexões de internet de diferentes empresas para o condomínio.

Desta forma, quando há um problema em uma delas, a conexão de reserva é automaticamente ativada. Outros condomínios preferem aderir a uma rede mais poderosa. Antes de contratar qualquer serviço, é essencial que o administrador esteja atento aos termos de contrato e tirar dúvidas importantes com a empresa, por exemplo:

– Como o serviço é feito em caso de queda de energia ou falha no sistema?

– A empresa dispõe de porteiros físicos que podem deslocar-se ao condomínio nestas situações de emergência?

– Também é interessante visitar o centro da portaria remota para conhecer a infra-estrutura e ver por dentro como é feita a fiscalização.

Outra questão que deve ser levado em conta, é lembrar que, mesmo com o serviço de portaria remota, o condomínio não pode apostar apenas na portaria eletrônica, como a única forma de entrada e de saída.

Na ausência de luz, é necessário que as portas e vias possam ser acessadas com o uso da chave ou do controle – e que os moradores tenham cópias destes. Que tipo de condomínio combina mais com portaria remota? Este serviço não está indicado para grandes conjuntos habitacionais, com várias torres e mais de uma entrada. O volume de pessoas entrando e saindo do condomínio pode comprometer a segurança do condomínio para quem opte por portarias remotas, sem contar que o custo de implementação e a instrução dos residentes pode ser complicada.

A portaria não presencial é a mais indicada para condomínios de médio porte, de entre 40 a 60 unidades – ambientes onde contratar um porteiro fixo acabaria saindo caro para o bolso dos moradores. O síndico também deve ter em conta o perfil dos inquilinos. Eles sabem adaptar-se às novas tecnologias com facilidade? Vão colaborar com a nova rotina? Sentirão falta da ajuda de um porteiro físico?

Em geral, condomínios, com uma Assembleia mais jovem tendem a se adaptar com mais facilidade e encontrar este tipo de serviço mais atraente. Como deve ser feita a aprovação para contratar portaria remota? Juntar-se (ou não) portaria remota é um assunto de grande escala, que interfere na vida de todos os moradores do condomínio. Verifique a convenção para ver se há necessidade ou não de fazer uma convocação de Assembleia para realizar este tipo de serviços no condomínio. No Caso de que seja necessário, a instalação da portaria remota só poderá ser feita com a aprovação da maioria dos moradores.

Quando for apresentar os orçamentos dos fornecedores de serviço em reunião da assembleia, o síndico deve fornecer todas as informações possíveis. Como se trata de uma tecnologia que ainda é uma novidade no país, quanto mais informações o síndico passar para os residentes, melhor será o processo de tomada de decisões. Em termos gerais, pode-se dizer que a portaria remota é um meio termo entre não ter uma portaria tradicional, mas sem contar com um ser humano que controla a entrada e saída do condomínio. Embora possa parecer um pouco diferente e até mesmo futurista para muitas pessoas, é uma realidade que deve ser investigada. Afinal estamos aqui para melhorar a vida em condomínios, então por que não apostar na tecnologia?

Para tirar dúvidas, ligue agora para (41) 3029-0532 ou envie um e-mail para ana@limad.adm.br  . Será um prazer atendê-lo!

Deixe seu comentário

quatro + 17 =